fbpx

Uso de suplementos em praticantes de academia

Uso de suplementos em praticantes de academia

O hábito de praticar atividades físicas vem aumentando na população em geral, e o interesse por suplementos nutricionais com propósito de melhorar aspectos relacionados.

Assim, FREITAS et al. (2016) desenvolveram estudo que teve por objetivo verificar a prevalência do uso de suplementos nutricionais em frequentadores de academias. Para tanto, 100 frequentadores de academia participaram voluntariamente respondendo a questões associadas ao uso de suplementos esportivos.

Os resultados mostraram que 73% dos entrevistados usavam algum tipo de suplemento, dos quais 75% eram homens e 25% mulheres. Os suplementos mais consumidos por ambos os sexos foram Whey Protein, e vitaminas e minerais

Em relação aos objetivos a serem alcançados com o uso de suplementos ergogênicos, verificou-se na pesquisa que 75% dos entrevistados buscavam hipertrofia muscular, enquanto 6% visava o emagrecimento, 8% por estética/modelagem corporal e os 3% buscavam outros objetivos.

A grande maioria dos entrevistados relatou ter buscado orientações acerca de utilização de suplementos a partir de educadores físicos e nutricionistas, enquanto a minoria recebeu indicação de médicos, amigos ou outras formas de indicação.

Por fim, quando se questionou o conhecimento dos entrevistados sobre o uso de efeitos colaterais, 53% dos homens e 61% das mulheres relataram ter conhecimento sobre os malefícios e apenas 47% do público masculino e 39% do público feminino relataram não ter nenhum conhecimento sobre os efeitos do uso de suplementos.

O estudo concluiu que uso de suplementos em praticantes de academia é grande e a educação nutricional do consumidor de suplementos deveria ser foco de novos estudos.

Veja Nossos cursos >>>Clique Aqui<<<

 

Fonte: Alexandre Evangelista

Referência para consultar

FREITAS et al. Uso de suplementos ergogênicos em praticantes de atividades esportivas na cidade de teresina-PI .Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 7. n. 40. p.246-252. Jul/Ago. 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *